Exportações sergipanas tiveram em junho o melhor resultado do ano


Foto: Victor Ribeiro/ASN

O mês de junho apresentou bons resultados para o comércio exterior em Sergipe. As exportações do estado tiveram o melhor resultado do ano até o momento, somando um montante de US$ 8,6 milhões. No primeiro semestre em geral, as exportações somaram 37,7 milhões de dólares, valor 13,4% superior ao somado em 2015. Nesse período, somente dois estados do Nordeste apresentaram crescimento nas exportações, Sergipe e Pernambuco, sendo que este último teve desempenho 51,1% superior ao do ano passado. A análise feita por Caio Lucas de Moura Morais, técnico da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) tem como base os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

“Em junho as exportações somaram US$8,6 milhões, apresentando uma alta expressiva de 65,3% em relação a maio e de 42,2% no comparativo com o resultado de 2015. Por outro lado, as importações somaram US$8 milhões no mesmo período, valor 56,4% menor do que o de maio e 65% inferior ao resultado de junho do ano passado”, afirmou o analista ao destacar que o superávit pode ser explicado por uma série de fatores. “A exportação de novos produtos, o aumento expressivo e/ou recuperação das exportações de alguns itens tradicionais e a forte retração das importações de alguns produtos, como, por exemplo, insumos para a indústria de fertilizantes”, apontou Caio Lucas.

Caio Lucas |Foto: Silvio Araújo

Com relação à pauta de exportação, foram exportados 35 produtos, sendo que os destaques foram o setor de sucos, os recipientes tubulares de alumínio e a exportação de novos produtos. “Os recipientes tubulares de alumínio com capacidade abaixo dos 300 litros foram os produtos mais exportados no mês de junho, somando US$2,9 milhões, correspondentes a 34% do total exportado no mês. O valor somado apresenta uma alta expressiva de 203,6% em relação ao mês de maio e, se comparado com o valor obtido no mesmo período de 2015, o resultado do ano corrente é ainda maior, de 1.717,3%”, observa o analista, destacando que a Colômbia foi o destino de 100% do valor exportado.

Segundo os dados, após a retração sofrida em maio, os sucos de laranja voltaram a apresentar bons resultados. O produto foi o segundo mais exportado em junho, correspondendo por 29,3% do total. Suas exportações somaram US$2,5 milhões, valor 116,2% superior ao resultado do mês anterior. Já o suco de abacaxi foi o terceiro item mais exportado em junho, responsável por 20,4% do total. Suas exportações somaram US$1,8 milhão, apresentando um aumento de 24,1% em relação a maio e de 633,4% no comparativo com junho de 2015. A grande novidade da pauta foi a exportação de máquinas para aglomerar ou moldar

Secretário Chico Dantas |Foto: Sílvio Araújo

combustíveis minerais sólidos, pastas cerâmicas, cimentos, gesso ou outras matérias minerais em pó ou em pasta. O item somou US$ 372,9 mil e se tornou o quarto mais exportado do mês, correspondendo a 4,3% do total da pauta e tendo como único destino o Paraguai.

Em junho Sergipe exportou para 28 países, com destaque para os 10 principais, que corresponderam por 92,3% do total: Países Baixos (34,5%), Colômbia (34%), Bélgica (6,9%), Paraguai (4,7%), Argentina (3%), Suíça (2,7%), Itália (2,3%), Reino Unido (1,5%), Espanha (1,5%) e Rússia (1,2%).

De acordo com o secretário Chico Dantas, a inserção do empresariado sergipano é um dos focos de atuação da Sedetec, que tem buscado promover a difusão da cultura exportadora no Estado de Sergipe em parceria com outras instituições, numa perspectiva de aumento do poder de competição das empresas sergipanas. “Em abril deste ano lançamos a nova fase do Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE) no Estado que tem vários tipos de ações, como capacitações, orientações com relação ao mercado externo, entre outros. Temos potencial e conseguiremos chegar lá através desses esforços”, salientou o secretário.

Fonte: Sedetec

Anterior Consumidores brasileiros freiam compra por impulso
Próximo Medo do desemprego é o mais alto em 17 anos, diz CNI

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *