Google barrou 1,7 bilhão de anúncios em 2016


Vídeo para a campanha, desenvolvida pela Adam&eveDDB, que celebra a diversidade

No ano passado, empresa aprimorou ferramentas de identificação de publicações enganosas, o que elevou a quantidade de bloqueios em relação a 2015

Nesta quarta-feira, 25, o Google lançou um relatório sobre as principais mudanças realizadas, ao longo de 2016, contra golpes, anúncios e sites enganosos.  No ano passado, 1,7 bilhão de anúncios foram bloqueados pela empresa em serviços como AdWords e DoubleClick. O montante supera o dobro do total de anúncios bloqueados em 2015, 780 milhões. O aumento, segundo a empresa, se deve, em parte, à criação de políticas mais rigorosas de publicação de anúncios e ao aperfeiçoamento dos algoritmos que identificam violações e realizam bloqueios.

A empresa detectou um aumento significativo de anúncios enganosos para produtos farmacêuticos. Fato que levou ao combate de mais de 68 milhões de divulgações por violações às políticas de saúde, contra os 12,5 milhões, em 2015. Além disso, ainda na categoria de produtos ilegais, 17 milhões de anúncios por transgressão às políticas de jogos de azar, que operam sem a autorização dos reguladores, foram desabilitados.

Ao todo 80 milhões de divulgações mentirosas tanto por enganar, iludir, quanto por chocar os usuários foram banidas. Segundo dados noticiados pelo Google, os golpes na internet não param por aí. Os internautas precisam também estar atentos para anúncios de auto-clique, responsáveis por direcionar o usuário a páginas indesejadas, no mobile. Neste quesito, mais de 23 mil anúncios foram detectados e desativados.

Cerca de 1.300 contas de tabloid cloaking sumiram da rede, em 2016. O golpe consiste em enganar o próprio sistema do Google. Ele finge ser uma reportagem de um site de notícias, quando, na verdade, ao abrir, é encontrada uma página de venda de produtos, por exemplo. Vale ressaltar que quando a empresa acha anúncios que violem suas políticas, o Google bloqueia essa divulgação e, algumas vezes, até o anunciante, ou então suspende o site promovido no anúncio.

Em novembro do ano passado, o Google expandiu suas políticas de combate a posts enganosos introduzindo a nova regulamentação de informações mentirosas do AdSense. Foram revisados 550 sites suspeitos de deturpar o conteúdo para os usuários e, entre eles, 340 violam suas políticas e 200 editores foram expulsos de sua rede.

Meio e Mensagem

Anterior Déficit da Previdência cresce 74,5% e é o maior desde 1995
Próximo Contribuição sindical empresarial deve ser paga até o dia 31

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *