Os sergipanos escaparam. Por enquanto


Marcos Cardoso
Jornalista

“Nós vivemos no que se chama de democracia, regida pela maioria do povo. Uma ideia ótima se chegasse a funcionar. O povo elege, mas são as máquinas partidárias que nomeiam, e as máquinas partidárias, para serem eficientes, precisam de muito dinheiro. Alguém precisa dar este dinheiro a eles e este alguém, seja um indivíduo, um grupo financeiro, um sindicato ou o que você quiser, espera alguma coisa em troca”.

Esse texto, uma fala atualíssima para o Brasil, não foi pronunciado por alguém da esquerda ou da direita tupiniquim, muito menos por um radical favorável ou contrário a golpear as ditas instituições democráticas nacionais. Está no romance policial noir “O longo adeus”, de Raymond Chandler, ambientado na Los Angeles do pós-Segunda Guerra e originalmente publicado em 1954.

Nos Estados Unidos, 60 anos atrás, era assim. E certamente continua assim ou pior. Porque a política na maioria dos países considerados democráticos se faz dessa maneira, sem tirar nem pôr. “A democracia é o pior dos regimes políticos, mas não há nenhum sistema melhor que ela”, disse Winston Churchill. E o Brasil amadureceu muito nesse sentido, deve ter aprendido muito com o way of life americano, onde o dinheiro compra tudo, até consciências.

A política por aqui é cada vez mais elaborada e mantida por partidos poderosos, irrigados por esquemas financeiros cada vez mais fortes e sofisticados, cujas ramificações, como células cancerosas, proliferam por todos os organismos que compõem o patrimônio que constitui o corpo da nação. Patrimônio público, preferencialmente.

Por que não se faz a reforma política no Brasil? Quando e se fizerem será um remendo tosco, com os impulsos inovadores devidamente contidos para não atrapalhar a velha e boa política, que vira e mexe impede o país de se transformar naquilo que os de boa vontade sempre sonharam. E para que não se crie obstáculos àqueles que dão dinheiro esperando alguma coisa em troca.

Esse caldo cultural temperado pela corrupção e impunidade alimenta os escândalos que se sucedem desde sempre. Escândalos que não tem patente. Quem inventou? Foi a ditadura? Foram Sarney e Antônio Carlos Magalhães? Foram Collor e PC Farias? Foi a família imperial? Foi Pedro Álvares Cabral?

Sabe-se que escândalos importantes ocorreram em determinados períodos de governos. As privatizações (R$ 100 bilhões presumidos), Banestado (R$ 42 bilhões), Vampiros da Saúde, Banco Marka, TRT de São Paulo e Sudam aconteceram no período FHC. Operação Navalha, Sanguessuga, Máfia dos Fiscais, Mensalão (R$ 55 milhões) e agora o Petrolão (R$ 3,5 bilhões presumíveis) ocorreram nos governos Lula/Dilma.

Até que ponto é culpa desses ou daqueles governantes? Essa é uma questão relevante a ser considerada. O certo, contudo, é que todos esses escândalos envolveram os grandes partidos, principalmente PSDB, PMDB, PFL/DEM e, mais recentemente, o PT. Partidos políticos que representam cada dia menos os interesses dos cidadãos brasileiros. Daí essa revolta contra o PT, que se configurava como tábua de salvação da representatividade política e frustrou até aqueles que não votavam na estrelinha vermelha.

Dos 47 políticos com foro privilegiado que serão investigados pelo Supremo Tribunal Federal a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, 32 são do PP, incluindo o senador Ciro Nogueira, do Piauí; 7 são do PMDB, incluindo os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha, além da ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney; um é do PTB, o ex-presidente da República e senador de Alagoas, Fernando Collor; um é do PSDB, o ex-governador mineiro e senador Antonio Anastasia; e 6 são do PT, incluindo os senadores Humberto Costa, Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, além do tesoureiro Cândido Vacarezza.

Mas de quem é a culpa por tudo isso? A culpa é do PT, segundo as vozes discordantes, engrossados por aqueles que não aguentam mais viver longe do poder central e, segundo também, a impressão implícita à compreensão coletiva de que a culpa é sempre de quem está no poder.

As injustiças sempre surgem. Como, por exemplo, tentar incluir o ex-senador por Sergipe, José Eduardo Dutra, dentre os que devem ser interrogados pela CPI da Petrobras. No depoimento de Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da estatal, o nome de Dutra foi citado depois que o deputado federal André Moura perguntou quem era o presidente da empresa no período em discussão. Após lembrar que, depois de presidir a Petrobras, Dutra foi presidente do PT nacional, o deputado do PSC de Sergipe decidiu então convocá-lo para depor na CPI. Presidente da Petrobras entre janeiro de 2003 e julho de 2005, Dutra jamais foi citado nas investigações. O ex-senador sergipano, que também presidiu a BR Distribuidora e atualmente é diretor Corporativo e de Serviços da Petrobras, desde o dia 27 de fevereiro está licenciado para tratamento de saúde. A licença é de noventa dias, podendo ser prorrogada.

Na lista de Janot há quatro políticos de Alagoas, incluindo os três senadores (o terceiro é Benedito de Lira, do PP), quatro da Bahia, quatro de Pernambuco, três do Rio de Janeiro e seis políticos do Rio Grande do Sul. Mas não há nenhum nome de Sergipe revelado na Operação Lava-Jato e agora investigado pelo STF. Nosso Estado é ficha limpa. Pelo menos por enquanto.

(Texto de 15 de março de 2015)

Anterior Desembolsos do BNDES no Nordeste caem pela metade em 2016
Próximo Pessimismo, mas nem tanto!

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *