Preço médio da gasolina vendida em Sergipe caiu em 1,2% em julho


Em julho, o preço médio cobrado pelo litro da gasolina, no estado, ficou em R$ 3,576, registrando redução de 1,2% no valor, em relação ao último mês de junho, sendo o quarto mês consecutivo de queda. No entanto, quando comparado com julho do ano passado, ainda é possível observar uma elevação de 6,6% no preço médio, variações em termos absolutos, sem considerar o efeito da inflação no período.

Para o etanol, houve queda no preço médio praticado em julho, de 0,9% em relação ao mês de junho. No comparativo com julho de 2015, registrou-se elevação de 19%. Em valores, o preço médio do litro ficou em R$ 3,118.

O óleo diesel registrou preço médio de R$ 3,003 por litro, ficando praticamente estável com leve alta de 0,1% em relação ao último mês de junho. Já em relação ao mesmo mês do ano passado, houve elevação de 8,3%.

Para o Gás Natural Veicular (GNV), o preço médio praticado por metro cúbico, foi de R$ 2,359, mantendo-se estável em relação ao sexto mês do ano andante. Quando comparado com julho de 2015, observou-se alta de 10,9%.

O GLP [ou gás de cozinha], registrou preço médio de R$ 51,69 (por 13 kg), com queda de 1,2%, quando confrontado com junho/2016. Entretanto, em relação ao sétimo mês do ano passado, o preço teve alta de 20,8%.

Preços nas distribuidoras

O preço do litro fornecido pelas distribuidoras no estado aos postos de combustíveis, em média, foi de R$ 3,188 para a gasolina, registrando queda de 1,3%. O etanol teve preço médio de R$ 2,74, com pequeno aumento de 0,3%. Já o preço médio do óleo diesel foi R$ 2,666, que assinalando queda de 0,9%, comparações em relação ao mês anterior, junho último.

Para o GNV e GLP, o preço das distribuidoras ficou em R$ 1,547 por m³, em média, para o GNV e R$ 36,72, por 13 quilos, para o GLP. Ambos apresentaram retrações, na comparação com o mês anterior, sendo de 7,9% e 0,8%, respectivamente.

Unicom Fies

Anterior Confiança de empresários da indústria melhora de julho para agosto, diz CNI
Próximo Empresários do NE apresentam demandas a Michel Temer para fortalecer indústria

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *