Projeção da inflação para 2021 é elevada pelo mercado financeiro


Marcela Araujo | CM News | Com informações da Agência Brasil
Em

Projeção da inflação para 2021 é elevada pelo mercado financeiro
Imagem: Freepik

O mercado financeiro elevou a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano. Este índice corresponde à inflação oficial do país e a estimativa subiu de 6,07% para 6,11%, de acordo com o boletim Focus – pesquisa divulgada pelo Banco Central (BC) sobre os principais indicadores econômicos do país. 

A meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional é de 3,75% para 2021, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Isso quer dizer que o limite superior para este ano é de 5,25% e que a projeção do mercado está acima da meta que deve ser atingida pelo BC. 

No mês passado, a inflação desacelerou para 0,53%, depois de chegar a 0,83% em maio. Com o resultado, o IPCA acumula alta de 3,77% no ano e 8,35% nos últimos 12 meses. 

O Banco Central usa, como principal instrumento para segurar a inflação, a taxa básica de juros, Selic. Atualmente, ela está estabelecida em 4,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Em mais uma previsão do mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre o ano de 2021 em 6,63% ao ano. 

Quando a taxa básica de juros aumenta, o objetivo é conter a demanda que está aquecida, porém isso causa reflexos nos preços, encarecendo o crédito e estimulando a poupança. Por esse motivo, taxas mais altas podem dificultar a recuperação da economia. 

Por outro lado, quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Na pesquisa, o Banco Central também consultou as instituições financeiras a respeito do Produto Interno Bruto e da expectativa de cotação do dólar. O resultado é uma projeção de 5,26% para o PIB e de um valor máximo de R$ 5,05 para o câmbio do dólar, ao final de 2021.

 

Leia também: Turismo avança 18,2% e dá sinais de retomada

Compartilhe :