Sebrae apoia microempreendedores a se reinventarem na crise


A recém-lançada campanha “MEI. Reinvente. Repense. Recrie” já traz frutos de sucesso, com casos de microempreendedores que transformaram a forma de gerar renda usando informações disponibilizadas pelo Sebrae. A página lançada com conteúdo específico para os MEI acumula 250 mil acessos, desde seu lançamento, no dia 18 de maio. Entre o público cativo que tem consumido os cursos, lives e demais informações gratuitas, está Sandra Costa que atua como MEI há mais de 10 anos, e Maria Cristina, dona de uma pequena empresa com 30 anos de mercado. Ambas adquiriram novas habilidades para encararem a crise causada pela pandemia do coronavírus.

A terapeuta holística Sandra Costa é proprietária da Zyon Terapias há 30 anos e atua formalmente como MEI desde 2009, em São Paulo. Com as medidas de isolamento social, a empresária suspendeu os atendimentos e ficou 40 dias sem pacientes. Antes da pandemia, mesmo possuindo redes sociais, sua atuação era basicamente presencial. “Esse tempo sem atender serviu para mergulhar e repensar o meu negócio. Comecei a atuar mais ativamente nas redes, oferecendo conteúdo relacionado às terapias diariamente para meu público. Também usei a rede de contatos com pacientes para convidá-los a iniciar os atendimentos virtuais. Apesar da resistência inicial, considero um sucesso, retomei os atendimentos e os feedbacks têm sido muito positivos. Hoje mantenho contato toda semana pelo Whatsapp mesmo com aqueles que não aderiram à terapia online”, conta Sandra.

Segundo a profissional, o Sebrae foi fundamental neste redirecionamento. “O Sebrae sempre me ajudou muito desde a minha formalização. O último conteúdo que consumi foi o webinar com Rafael Somera, falando sobre técnicas de vendas. Simplesmente incrível, ele escreveu o livro “O Homem que aprendeu a vender”. Na live tivemos a oportunidade de aprender técnicas que nos diferenciam substancialmente no mercado. Dicas de atendimento personalizado, tratamento com cliente e pós-venda, tudo gratuito”, completa a terapeuta.

No estado do Paraná, mais especificamente na Ilha do Mel, Maria Cristina Scheidt é outra empresária que tem transformado sua atuação para amenizar os efeitos da crise. Dona de uma pousada, ela paralisou os serviços há mais de 60 dias. Para manter a proximidade com os clientes, decidiu criar páginas nas redes sociais com informações sobre sua hospedagem. Apesar de já ter perdido o período de alta temporada, ela avalia que a iniciativa pode ajudar a conseguir novos clientes. “Trabalho nesse ramo há 30 anos, nunca vivi uma crise como essa. Nunca tivemos que fechar a pousada por tanto tempo. Mas há males que vem para o bem, eu cresci com isso, iniciei nossa atuação nas redes sociais e espero que colabore com a divulgação da nossa pousada”, afirma Maria Cristina.

Em relação aos conteúdos oferecidos pelo Sebrae, a microempresária revela que é uma espectadora cativa das lives com convidados, além de já ter feito cursos e consultoria. “O Sebrae sempre foi nosso parceiro. Agora que estamos sem funcionar, isso ficou ainda mais claro. Sempre que posso assisto as transmissões ao vivo. Fiz um curso de gestão financeira e já realizei consultorias. Meu objetivo é pegar dicas de como atuar nas redes sociais para chamar atenção dos clientes para a nossa ilha. Espero que a pandemia passe logo, que a situação seja normalizada e possamos voltar a receber as pessoas”, declara.

 

Fonte: Sebrae

Powered by Rock Convert
Anterior Campos Neto diz que meta de inflação para este ano não deve ser mudada
Próximo Congresso prorroga vigência de MPs que criaram crédito para folha de salário e programa emergencial

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *