Software calcula expectativa de vida para cardiopatas


Um software de inteligência artificial prediz por quanto tempo um portador de doença cardíaca sobreviverá

Powered by Rock Convert

Sistema baseado na inteligência artificial ajuda médicos a saberem de antemão quais pacientes estão em estado crítico

O que é a medicina senão um grande amontoado de dados e informações? Cada consulta se resume em múltiplas perguntas com as quais o médico vai listando as possíveis causas da doença e seu posterior tratamento. Agora, se este volume de dados e informações for bem grande, a precisão do tratamento e o possível impacto da enfermidade sobre o paciente crescem exponencialmente. O que ocorre é que a capacidade humana é limitada, e nesta correlação, na qual mais informação equivale a um diagnóstico mais preciso, o homem perde frente à máquina.

Pensando nisso, uma equipe de pesquisadores do Instituto de Ciências Médicas MRC, de Londres, acrescentou o ingrediente mágico à fórmula: a inteligência artificial. Num trabalho de campo com a participação de quase 300 pacientes com enfermidades cardíacas, foram analisados os dados acumulados ao longo de oito anos para determinar, com grande precisão, a expectativa de vida dos doentes. Concretamente, a equipe conseguiu acertar em 80% dos casos quais pacientes viveriam um ano mais, ao passo que os médicos, sem essa ferramenta, só fazia a previsão correta em 60% dos casos

O sistema se baseou nos resultados de ressonâncias magnéticas e exames de sangue ao longo de todos esses anos, não só dos pacientes analisados, mas também de outros pacientes que foram alimentando o sistema. Por que essa descoberta é importante? Porque com ela os médicos saberão de antemão quais pacientes estão em situação crítica e poderão se beneficiar mais do tratamento, ampliando sua expectativa de vida. O sistema permitiria aos médicos oferecer “o tratamento adequado aos pacientes que o necessitam, no momento adequado”, diz Tim Daws, um dos responsáveis pelo estudo.

A inteligência artificial é capaz de analisar os parâmetros anormais e desenhar um cenário futuro com grande precisão, permitindo que os médicos ajam conforme os resultados apontados. O uso maciço de dados já começou a ser aplicado nos tratamentos contra o câncer, em que a informação ao longo do tempo tem um papel crucial. A equipe se dispõe agora a estender o teste a mais hospitais, com o propósito de desenvolver um sistema que não se limite a antecipar a expectativa de vida, mas também a indicar o tratamento ideal para cada paciente.

Fonte: El País

Anterior Walmart testará venda de automóveis em suas lojas
Próximo TV paga perdeu 311 mil assinantes em 2016

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *